Ícone do site Amicci News

Crescem as vendas de alimentos indulgentes, as famosas “guloseimas”, no Brasil

Mesmo com baixo valor nutricional, o brasileiro está consumindo mais alimentos indulgentes, como válvula de escape da rotina estressante

Acesso rápido
Introdução
O que são alimentos indulgentes
Indulgência consciente
Crescimento no setor
Lançamentos indulgentes
Nova rotulagem e tendências

Introdução

Quem nunca saiu da rotina para comer algum doce e depois se arrependeu? Essas vontades ainda podem vir como forma de “premiação”, seja por passar por um dia difícil, seguida de um peso na consciência por ter comido algo que não era lá tão saudável assim.

Este foi um pensamento recorrente na mente dos brasileiros nos últimos anos, principalmente durante o isolamento social, onde foi registrado um aumento considerável na venda destes produtos, como você verá no decorrer do artigo. Mas, antes, partiremos do começo:

O que são alimentos indulgentes?

Essa é uma das quatro categorias de Comfort Food. Os alimentos indulgentes são capazes de despertar sensações e emoções nos consumidores, como: conforto, bem-estar, felicidade, bem como memórias afetivas que despertam prazer no momento do consumo, mesmo que estes alimentos sejam atrelados a altas calorias e um perfil nutricional pobre em nutrientes, como açúcar refinado, altos teores de gorduras saturadas e sódio. Estes alimentos também são normalmente atrelados ao sentimento de culpa pós-consumo e aumento de doenças crônicas. 

Indulgência consciente?

A indulgência consciente é uma tendência que mostra como as pessoas gostam de desfrutar de momentos de hedonismo e que desejam uma experiência genuína dos produtos que compram, dessa forma, a comida representa experiências únicas, válvula de escape para a rotina estressante; uma boa maneira de se recompensar após um dia cheio. Segundo dados da Euromonitor (2017) 61% dos brasileiros consideram importante controlar os níveis de estresse para manter uma boa saúde, com isso, experiências prazerosas com a alimentação são uma importante ferramenta de manejo do estresse, como comprovam os dados da Qualibest (2015), o sabor é o 1° fator de recompra de um produto pelo consumidor.

Embora os consumidores queiram melhorar os seus hábitos alimentares, também querem evitar sentimentos de compromisso e sacrifício. Como resultado, eles procuraram levar uma dieta saudável na maioria das vezes, para justificar os momentos ocasionais de indulgência como reuniões familiares, datas comemorativas e ocasiões sociais. Em pesquisa realizada pela ADM (2022) 64% dos consumidores globais relataram não ter problema em desfrutar de guloseimas indulgentes como parte da dieta saudável, na América do Sul o índice é de 56%.  Os preferidos são os doces, salgadinhos, refrigerantes, chocolates e sobremesas refrigeradas.

Crescimento no setor

Com a pandemia e isolamento social, as indulgências foram o conforto para os brasileiros. Segundo dados da ABIPAMI, a tendência foi recorrer para escolhas como:

Crescimento de 2020 vs 2019

Fonte: ABIMAPI, 2019 vs 2020.

O crescimento não ficou retido em 2020. Mesmo com o preço por unidade do chocolate ter aumentado 8,5% no ano seguinte, como destacamos em nosso artigo seis grandes tendências para o varejo de alimentos, a categoria de biscoitos e chocolates, de forma geral, cresceu em 2021 15%, faturando 32 bilhões de reais, de acordo com dados da Euromonitor.

“São categorias que vem crescendo e têm alta penetração nos lares, porque os consumidores procuram indulgências para relaxar no final do dia”.

Destacou Adriana Donelian, diretora de vendas da Mondelez Brasil (SA Varejo, 2022).

No caso da Mondelez, recuaram as vendas de salgados básicos e biscoitos doces sem recheio, enquanto as categorias de recheados e salgados especiais tiveram avanço, com 50% de alta nas vendas da marca Oreo.

Fonte: Duas Rodas

Os salgadinhos também não ficam de fora, de acordo com a consultoria Euromonitor, no ano passado, a estimativa é de que o segmento tenha movimentado R$ 80 bilhões, um crescimento de 11% sobre o valor que o setor faturava há cinco anos.

Para os próximos cinco anos, até 2026, a estimativa é de que as vendas cheguem a R$ 89,3 bilhões, um novo salto de 11,6%. Hoje, 55% da receita global da PepsiCo vem de alimentos, com os salgadinhos como carro-chefe. Até setembro o volume de vendas dessa categoria cresceu 3% na América Latina.

Lançamentos indulgentes

O mercado balanceia as inovações saudáveis aos apelos indulgentes. É possível ver doses extras de recheios fartos em novos lançamentos, para que o consumidor desfrute de uma experiencia completa em seus momentos de fuga. Confira a baixo três exemplos:

Adria Mega Wafer com camada extra de recheio

Segundo Vanessa Costa, gerente de Marketing da Adria, o consumo da categoria tem se mantido elevado, com isso, a Adria lança os wafers mais atrativos, com mais sabor de chocolate e camadas extras de recheio. A comunicação da embalagem também foi atualizada, acompanhando a personalidade da marca e valorizando aspectos indulgentes.

Piraquê leite maltado com cobertura de chocolate

56% de crescimento da M. Dias no segmento de biscoitos cobertos em 2021 foram puxados pelo lançamento de Piraquê Maltado.

Biscoitos sortidos cobertura sabor chocolate Qualitá

Nova rotulagem e tendências

Com a nova rotulagem nutricional que começará a entrar em vigor em outubro, como mostramos no artigo sobre novas regras da rotulagem nutricional brasileira, espera-se que os consumidores encontrem com mais facilidade as informações e avisos nutricionais dos produtos alimentícios, influenciando diretamente no comportamento negativo de compra da população.

Uma vez que os alimentos indulgentes vão de encontro às tendencias de alimentos saudáveis e possivelmente receberão os alertas nutricionais da nova legislação, a solução é encontrar um equilíbrio entre uma alimentação saudável diária e as “escapadas” nesses produtos indulgentes. Algumas das formas de conseguirmos este equilíbrio é por meio da variação dos formatos destes produtos, como explorar porções menores ou indulgentes mais saudáveis (saiba mais sobre este ponto clicando aqui).

Material desenvolvido pela área de Desenvolvimento Técnico e Inovação (DTI) da Amicci.

Sair da versão mobile